Campus Party – Blogs para divulgar causas: Informar, negociar ou convencer?

Fábio Paiva, Maurício Kann e Marcel Benedeti na palestra “Blogueiros pelo direito dos animais”

Fábio Paiva, Maurício Kann e Marcel Benedeti na palestra “Blogueiros pelo direito dos animais”

Ontem eu era uma das 10 pessoas (somente) que acompanharam a palestra “Blogueiros pelo direito dos animais”, com os palestrantes Maurício Kann, do blog Animao, Fábio Paiva, do blog Pelo Fim do Holocausto Animal, dr. Marcel Benedeti, do blog do dr. Marcel Benedeti , Miriam, do blog Vida de Vegetariana, a Simone Nardi e a Maria Conceição, do blog Consciência Humana. A idéia era mostrar como o blog pode ser usado como ferramenta de divulgação de uma causa. No caso deles, a causa era a proteção dos direitos dos animais.

Além de mostrar a divulação on line do trabalho deles, foram divulgados dados interessantes, principalmente para o público que não é da área. Alguns que eu lembro de cabeça são:

– A China abastece 50% do mercado de peles do mundo;
– A área de pastagem utilizada para a criação e alimentação de um boi produziria alimentos para um número muito maior de pessoas que a carne de boi pode alimentar;
– Muitas pessoas que se dizem “protetores de animais” na verdade são protetoras de “cães e gatos” e que os animais são muito mais do que animais domésticos.;
-Metano produzido pelo gado é responsável pelo aumento do efeito estufa;
Maiores detalhes você pode obter nos blogs citados acima.

==============================================

Durante a palestra acima me veio na cabeça o problema da divulgação de causas. Seja na hora de fazer um protesto estudantil, uma greve, lutar por uma causa, etc. Existem basicamente 3 coisas a se fazer: Informar, negociar ou convencer. Antes de fazer qualquer coisa, tem que se ter em mente qual o objetivo a ser atingido.

Aparentemente parece a mesma coisa, mas não é. Posso citar o movimento estudantil como exemplo. Quando resolvem parar a av. Paulista para fazer um protesto, eles conseguem atenção da mídia e da população, mas não atraem a simpatia dos que estão fora da causa, mesmo que se ela for válida, como o aumento do número/salário de professores. Ficar parado 2 horas no trânsito para andar 100 metros atrai a raiva de qualquer um.

Portão arrebentado da Reitoria

Portão da Reitoria da USP após a invasão (retirado do blog do Tiago Rodrigo)

No mesmo movimento estudantil, quando os alunos da USP invadiram a reitoria, eu troquei uns emails com um pessoal que estava lá e falei que a invasão era válida e justa, porém quebrar as coisas pelo caminho, formatar computadores e roubar pendriveres atrairia muito mais a atenção da mídia do que o protesto a favor da autonomia da Universidade Pública. E ainda atrairia o ódio da população, já que se tratava de patrimônio público. O pior: quase fui linchado via email pelo meu comentário…

Ontem eu me senti nos 2 casos acima. A parte informativa foi muito bem argumentada, porém o exagero “vegetariano” não atrairia ninguém para a diminuição do consumo da carne. Em nenhum momento (até onde eu fiquei) foi levantado a questão do “consumo racional” de alimentos de origem animal. Ao meu ver, esse sim seria o primeiro grande passo para conseguir adeptos para a causa. Depois talvez tentar um segundo nível…

Tentar mostrar que o homem não é um ser carnivoro é um erro!!! Basta olhar no espelho para ver dentes caninos para segurar a presa e incisivos afiados para cortar a carne. Caçar e comer carne faz parte do ser humano desde que ele resolveu pintar as cavernas. O certo ao meu ver seria tentar mostrar o que o consumo excessivo de carne pode trazer para o planeta Terra, além de obviamente mostrar o sofrimento animal. Essa parte foi bem abordada juntamente com a parte que mostra que animais são seres vivos e sofrem como nós, mas acabou ofuscada pelo choque à apresentação da filosofia Vegano. Pelo menos para mim aconteceu isso…

As pessoas sempre lembram “política” como cuidar de interesses, mas esquecem que “politica” também é a arte de negociar. Para mim, atualmente as lutas pelas causas precisam aprender a “negociar” para ai sim, começar a brigar por causas consideradas justas! Quebrar paradigmas culturais como o consumo de carne é muito difícil e deve ser feito aos poucos, e qualquer passinho para frente deve ser comemorado! De preferência sem churrasco[bb]

Ps: Em relação a utilização de peles para casacos, não preciso falar muita coisa, não? Acho que todo mundo que tem um pouco de bom senso é contra a essa atrocidade!
Ps2: Outro exemplo são as propagadas contra drogas/cigarros. As propagandas que informam raramente atraem a pessoa para a causa. As que convencem são muito chocantes, e raramente passam na TV. Abordei isso nesse post – Drogas? Vai se f….
Ps3 – Treinar “política” é um ótimo jeito para se dar na vida!!! Saber negociar ajuda a qualquer pessoa com seus objetivos. Também falei sobre isso – Quanto devo cobrar pelo serviço?
Ps4 – Chega de PS… já estou me sentindo o Dale Carnegie em “Como fazer amigos e influenciar pessoas[bb]

5 thoughts on “Campus Party – Blogs para divulgar causas: Informar, negociar ou convencer?

  • 13/02/2008 at 1:54 pm
    Permalink

    Olá Jonny! Sobre o exagero vegetariano, você tocou num ponto importante: nós humanos somos onívoros, comemos carne e vegetais.

    Mas você passou por cima de outro ponto que eu uso sempre contra a histeria vegetariana: “a parte que mostra que animais são seres vivos e sofrem como nós”.

    Não são as plantas seres vivos também? Tá, nunca se provou sofrimento nos vegetais, mas você comer um frito equivale a comer um útero com um filhotinho dentro.

  • 13/02/2008 at 3:09 pm
    Permalink

    Xisberto…

    Vegetariano é aplicado para as pessoas que optam por comer somente vegetais, mesmo sendo onivoros. Logo já está implicito que elas podem comer carne, mas não querem.

    Eles sabem que o ser humano não é herbivoro (que ai sim é um ser que só come vegetais, inclusive com digestão de celulose e dentes especializados para a mastigação)

    Quanto as plantas, elas são seres vivos, porém não possuem sistema nervoso, então não sentem dor.

    O meu problema não é tanto quanto ao fato de serem vegetarianos ou serem vaganos, porque cada um opta por comer o que acha mais justo. Meu problema é como eles tentam convencer as pessoas para seguirem a causa dos “direitos dos animais”. Acredito que o método que eles utilizaram não atrai tanto as pessoas para o lado delas.

    Como eu disse, são barreiras para serem vencidas. e eu acredito que o primeiro passo é as pessoas aprenderem o consumo racional.

    Abraços e obrigado pela visita!

  • 13/02/2008 at 6:12 pm
    Permalink

    Apesar de ser exagerado, não gosto muito dos exageros. Concordo contigo que deve-se ir por etapas, conquistando adeptos e fazendo eles refletirem sobre o assunto, quebrando paradigmas.
    Como eu disse no Twitter: Apesar de alguns serem exagerados, a maioria não se preocupa com nada.

    Jonny, a ONU declarou 2008 o Ano do Planeta Terra e campanhas deveriam está rolando… mas eu vejo poucas.
    Li seu artigo sobre as Drogas e tenho a mesma opinião. Só não entendo porque tanto dinheiro é gasto com certas campanhas mal formuladas e mal direcionadas!

    Abraço e parabéns pela cobertura do CParty! 😀

  • Pingback: Infoblog » Campus Party - Substitua a palavra “jornalista” por “blogueiro” e veja se não faz sentido?

  • 23/01/2009 at 8:55 am
    Permalink

    Não sou vegetariano, mas está provado por mim mesmo(auto-laboratório) que a deglutição de carnes é uma loucura para o nosso sistema digestivo. Com isso vendem-se os mais diversos tipos de anti-ácidos, sal-de-frutas ENO, Sonrisal, etc. Isso vai acabando cada vez mais com este sistema causando diversos males, canceres, etc! Eu por exemplo como muito pouca carne, prefiro mais peixes, e carne brancas. Até para o nosso corpo temos que ter sustentabilidade! É isso aí..

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *